janeiro 12, 2019

Campeãs


No ano de 2003, disputou-se o terceiro campeonato do mundo de futebol feminino. No fim do torneio, as jogadoras alemãs foram campeãs; e no ano de 2007 voltaram a erguer o troféu mundial. Elas não percorreram um caminho fácil. Desde 1955, e até 1970, as mulheres alemãs estavam proibidas de jogar futebol. A Associação Alemã de Futebol explicou porquê: Na luta pela bola, desaparece a elegância feminina, e o corpo e a alma sofrem danos. A exibição do corpo ofende o pudor. 

Correu bem


Ainda bem que não precisávamos de ganhar.

dezembro 14, 2018

Corpos vis


Lá em cima, no número 12, que é uma suíte consideravelmente imponente, Mr Vexame voltava atrás descendo o percurso de confiança em si próprio que tão laboriosamente escalara. 

dezembro 09, 2018

Fake plastic trees



Her green plastic watering can
For her fake Chinese rubber plant
In the fake plastic earth
That she bought from a rubber man
In a town full of rubber bands
To get rid of itself

It wears her out, it wears her out
It wears her out, it wears her out

She lives with a broken man
A cracked polystyrene man
Who just crumbles and burns
He used to do surgery
For girls in the eighties
But gravity always wins

It wears him out, it wears him out
It wears him out, it wears

She looks like the real thing
She tastes like the real thing
My fake plastic love
But I can't help the feeling
I could blow through the ceiling
If I just turn and run

And it wears me out, it wears me out
It wears me out, it wears me out

If I could be who you wanted
If I could be who you wanted all the time

All the time

All the time


Esta nova roupagem de Fake Plastic Trees, um original dos Radiohead, uma das músicas que em determinada altura da minha vida mais ouvi, feita por Scala & Kolacny Brothers, engrandece o original não o desvirtuando nem se limitando a uma reprodução ou simples cópia de plástico. Na verdade, não sei se será da época, mas fiquei com a sensação que este poderia ser uma grande música de Natal. Deve ser impressão minha. 

road to nowhere



Continuamos, com gosto evidente, parece-me, a pagar os combustíveis mais caros do mundo deste lado do mundo. Parece que são as taxas. Na minha factura da água (responsabilidade da AGERE em Braga), por exemplo, a grande fatia vai paras taxas e taxinhas, mais de metade serve para animar os cofres da câmara, com coisas lindíssimas relativas a separação de resíduos, animando igualmente os bolsos de alguns gestores semi-analfabetos. A factura da EDP não fica nada atrás, mas sobre a EDP não gosto de falar. Compreendo mal o mandarim e não quero cometer grandes gaffes. Não tarda nada a Universidade do Minho lançará a licenciatura em Taxas e Companhia, para juntar àquelas tipo administração pública, gestão (danosa) e a novíssima Proteção Civil e gestão do território, uma lateralização eufemística do curso de geografia e planeamento que vai perdendo gás e empregabilidade (se é que alguma vez a teve).

Nada disto teria qualquer importância se estivéssemos perto de um coffee shop na Holanda, ou a visitar os locais dos crimes da saga Millennium em Estocolomo, ou apenas a passear na rua Bellmansgatan, mas ficando aqui por Braga a coisa assume alguma relevância, tendo em conta que um ordenado médio andará à volta de 700 euros (com sorte), e algumas das rendas T2 já andam perto disso. Nada que preocupe os seres humanos cá do burgo, desde que possam passar horas no trânsito para chegar a um qualquer centro comercial, está tudo bem. Só se chateiam quando não há estacionamento, podendo bater-se barbaramente por um lugar. Tanto sacrifício para nada, não pode ser. E assim continuamos bem lixados, perdão, taxados.  


Adenda (a capa do Libération de ontem):


novembro 23, 2018

Truques de glória


Estou há mais de dois meses para escrever algo sobre o “Paterson”, um filme de Jim Jarmusch, mas por razões alheias à minha vontade, razões essas absolutamente indetermináveis, pelo menos até à hora em que escrevo estas linhas, tal não foi possível, ainda tentei contactar o escriba, isto é, eu próprio, mas tal não foi também, de todo, possível. Fica para outro dia. O personagem principal deste filme chama-se Paterson, e a cidade onde a acção se passa também se chama Paterson, razões mais que suficientes para o filme se chamar Paterson. Paterson é uma espécie de poeta condutor de autocarros. A sua vida é um rame-rame que apenas nos chama atenção pelo facto de escrever poesia. Se fosse um rádio amor condutor de autocarros seria muito mais difícil a sua recepção em Cannes. A mulher de Paterson é uma idiota com a mania de ser artista, o que é muito comum nos dias de hoje, tanto uma coisa como a outra. O Jarmusch sabe bem isso, é um diletante, gosta do Paterson na medida em que este não tem telemóvel, escreve poesia e, às vezes, lá bebe um copo quando vai passear o cão ou levar o lixo, já não sei, mas fico com sensação que a acção poderia ser em, digamos, Amarante, também deve por lá devem haver poetas que gostem de outros poetas, embora sem conhecerem (não vem mal nenhum ao mundo) o William Carlos Williams. Jim Jarmusch vai-se aborrecendo ao logo da realização do seu filme ao ponto de fazer com que Paterson, por obra do demo, fique sem o seu caderninho de poemas, sem ter tido tempo de o fotocopiar. Ficamos todos muito chateados e solidários. Nós, e a menina que a páginas tantas lhe lê um poema, ao nível dos dele, ou de qualquer outro condutor de autocarros poeta, para não dizer de WCW. Todavia, Paterson, embora chateado (nota-se algum esforço do actor nesse sentido) continua a conduzir o seu autocarro (não é à toa que o nome do actor é Driver), mas ficamos sem saber se alguém lhe terá dito que não é o fim do mundo, que também Herberto Helder perdeu um manuscrito original num comboio, coisa que lhe terá provocado uma profunda angústia de duração não inferior a seis meses. Não sabemos, ainda, se Paterson ou mesmo Jarmusch sabem da participação de HH numa curta de 1968. Saberiam? Saberão? Como reagiria, ou reagirá Cannes? Não sabemos, é um perfeito enigma.


(Paterson a escrever os seus poemas, acho)


novembro 22, 2018

Tourear as pedreiras



Não é, de todo, civilizado, falar sobre civilização. E com isto teríamos encerrado o assunto, ainda a tempo de ver o Macgyver no canal memória. Mas não. Quando a ministra (da cultura, dizem) escorregou no termo civilização, não se terá recordado (saberia?) que muitas disputas terão começado por muito menos. Quando invocamos civilização, necessariamente distanciámo-nos do “outro”, o bárbaro. Já era assim entre gregos e persas, ou entre romanos e os povos do Norte. É assim entre sportinguistas e benfiquistas. Temos que ter alguma cautela quando barricamos o nosso pensamento em facções. As barricadas são lugares inseguros. Temos um ou dois livros que confirmam isso mesmo.

Cheguei às touradas como em tudo na vida pré-história dos anos oitenta (do século passado): através da RTP. Às touradas, ao TV Rural, às novelas brasileiras, ao Júlio Isidro, ao Duarte e Companhia, ao Zé Gato, ao Verão Azul, e ao cinema, muito cinema. Anos setenta (apanhei o final), oitenta, noventa. E não sou o único a dizê-lo. Das touradas só sei o que vi na TV. A mesma coisa para os saltos de esqui, coisa que via religiosamente no ano novo. Não frequento e nunca entrei numa praça. Conheço alguns touros por percalços da minha imaginação, ou de viagens pelo país. Quase sempre a Sul. Sei que existiu um tal de campo dos toiros em Barcelos, no século XIX, provavelmente relacionado com a feira semanal, longe de ser caso único no Minho. Resquícios de tudo isso se vislumbram na vaca das cordas de Ponte de Lima. Com travessia para os Açores. Bovinidades sem toureiro a cavalo, sem forcados, sem bancadas, normalmente integradas em festividades ou em promoção pecuária. Na minha terra já ninguém se recorda disso, o que não quer dizer que não tenha existido.

Não gosto de touradas sejam elas quais forem. Os toiros concordarão comigo. Mas não partilho o endeusamento e a moda dos bichinhos que se vive por aí. Num filme de 1990, Anjos Caídos, protagonizado por Sean Penn e o Gary Oldman (assim de cor), a páginas tantas fala-se sobre a apropriação do bairro da sua infância (descendentes de Irlandeses) pela especulação imobiliária, tomado aos poucos por yuppies que trazem os seus animais de estimação para dentro dos seus modernos apartamentos. Um comportamento bárbaro segundo os locals, habituados a animais soltos e não aprisionados em apartamentos. Para isso temos as pessoas.

Ora, essa moda dos animais em apartamentos demorou mas chegou cá ao burgo. Poderia dar milhares de exemplos de animais verdadeiramente abandonados durante todo o dia em marquises, garagens, terraços, ou simplesmente em salas, alguns a gritar (de felicidade?) durante todo o dia. Assim vai o amor incondicional pelos animais. Lá chegaremos ao toiro numa loja de porcelanas, 2º esquerdo. E os preços das habitações continuam a disparar. Já repararam, ou não é importante?

Parece que as pedreiras não se enquadram na logística civilizacional. As pedreiras são técnica, antes de serem comércio ou indústria. E, como tal, devem ser da responsabilidade de técnicos. Ponto. Comunicada a informação técnica, quando esta existe, a responsabilidade passa a ser política. Se há uma pedreira e uma estrada, certamente que haverá gente. Sabemos que não é de estimação, mas podíamos, ao menos, deixar de tentar disfarçar.

Estranha forma de continuar a escrever a mesma coisa (sem que a gente deixe de a ler)


No fim de contas, a minha conferência sobre a «estrutura mítica do herói» - essa tagarelice que vinha a repetir havia anos sempre que me convidavam - tinha-a copiado integralmente do livro de um intelectual português, Manuel da Cunha. 

novembro 18, 2018

As touradas e o património da bovinidade

Sobre este assunto tenho a dizer que as casas em Braga estão a ficar muito, mas muito, caras, tanto para alugar como (para quem é louco) comprar, já para não falar de outros preços, coisas de turistas, ou de malta que desagua enganada em terras de terras santa cruz ao contrário. A todos desejo um bom espectáculo. Ou isso.


(Bartoon, de Luís Afonso, 30/07/2010)

Vaiapraia e as Rainhas do Baile

O meu país a saque

(cortesia daqui)

A pouca begonha continua. Mais uma contribuição para o museu da contrafacção: a candidata (única) à liderança da JS com erros no currículo, parece que anda a dividir as hostes. Pudera, estas coisas começam a ter algum eco no rapar do tacho. E o eco é chato. 

novembro 16, 2018

Para uma nova taxonomia dos afectos


Tenho um amigo sportinguista que tem sempre teorias sobre tudo. Por isso mesmo não precisa da Netflix para nada. Desta vez engendrou uma teoria da conspiração que dá bem com o seu humor (quando não se fala do Sporting), embora ele não se aperceba. Essa teoria diz mais ou menos o seguinte: a detenção de Bruno de Carvalho (e do Mustafá) a um domingo e perto da hora do jogo foi responsabilidade do próprio (embora não saiba explicar como) e dos seus novos (velhos?) amigos benfiquistas, para (mais uma vez, diz ele) ocultar e deixar passar em claro os e-toupeiras, emails, e por aí fora, até porque hoje tem início a instrução do e-toupeira. Desta forma, o ruído instalado superaria tudo. Quanto ao ruído e às patetices dos jornalistas e comentadores não poderia estar mais de acordo, relativamente ao resto, fico agradecido por vivermos num país onde o humor (e a imaginação) suplantam, em muito (ainda), o horror. Embora o Artur Albarran não o saiba.

Este amigo é um apoiante (enganado, claro está - diz ele) de primeira hora de BdC. Ele e muitos. Os mesmos que agora (recentemente) se juntam em fila indiana, batendo-se por serem os primeiros a atirar a primeira pedra. Não estivéssemos perto do Natal e dir-se-ia que a Páscoa era a época festiva que vivíamos, divertidos, tantas são as crucificações em praça pública, tantos são os que acompanham a via dolorosa, julgando e enxovalhando quem passa (caído em desgraça). Isto é, quem foi detido. Duas ou três passagens pela TV e percebemos que todos o sabiam, ou pressentiam, ou tinham avisado, o que tarde ou mais cedo seria inevitável. Todos os outros: enganados. Vê-se muito disto nos divórcios.

A forma como a imprensa (vamos chamar-lhe assim, à falta de melhor) cobre estas (e outras) detenções, estando previamente nos locais, tendo acesso a informação (supostamente) em segredo de justiça, diz-nos bem da formosa estrebaria (esta foi roubada a um viajante do século XVIII) em que vivemos. Fosse esta imprensa tão avisada noutras situações, fizesse investigação verdadeira e reportagem a sério e seríamos o Bas Dost da imprensa europeia.

Mas não se pense que a imprensa é o melhor disto tudo. Os comentadores (a soldo de quem agora?) são a cereja no topo da estrebaria (já sem tanta formosura). Passe a gritaria, passe a ignorância, o dinheiro a jorrar (não é só para as claques, estes tipos descobriram as claques agora, parece, como se fosse possível assobiar para o lado consoante a cor da camisola), mas o que não passa, ou não pode passar incólume, é aquela velha forma de adaptação ao status quo vigente, seja ele qual for, capacidade apenas disponível ao nível dos invertebrados. O meu amigo deve ter uma teoria para isto. Depois pergunto-lhe.

(originalmente publicado aqui)