junho 19, 2013

Prosa de cortar à faca


Os raios brancos jorram dum tinido de bainhas, a porta roda nos gonzos e o homem aparece, lívido, entre duas manchas negras. Calvo, de crânio polido, cara barbeada, os cantos da boca metidos para dentro como os dos velhos dos asilos, a camisa largamente cortada, um casaco escuro sobre os ombros, ele caminha afoitamente; e os seus olhos vivos, inquietos, perscrutadores, percorrem todas as caras; o seu rosto volta-se para todos os rostos com um movimento compósito que parece feito de mil tremores. Os seus lábios estão agitados; dir-se-ia que murmuram: «A guilhotina! A guilhotina!» Depois, cabeça inclinada, o olhar penetrante fixado a direito na linha da báscula, ele avança como um animal que puxa a charrua. De súbito, choca com a prancha e da sua garganta eleva-se uma voz fina, acre, como um tilintar rachado, com uma nota alta, aguda, sobre a palavra assassino duas vezes repetida.
Um batimento surdo; uma manga de sobrecasaca com a marca branca da mão sobre o prumo esquerdo da guilhotina; um choque delicado; um movimento de pessoas para a fonte sangrenta que deve jorrar; a cesta escura e luzidia atirada para dentro de um dos vagões; trinta segundos para tudo isto desde a porta da prisão.  

“Instantes”, in Coração Duplo, vol.2. Marcel Schwob. Tradução de Raúl Henriques. Cavalo de Ferro. 

3 comentários:

Gerónimo cão disse...

os contos do Schwob são únicos e fizeram escola. ah, e bota o "vidas imaginárias" na estante, aquilo é pai de muito menino...eheheh

Cannibal Corpse ainda vão a jogo?

GabrielP. disse...

ei:)

o vidas imaginárias ainda não lhe deitei a mão, mas sei que o Vila-matinhas e o borges admiravam...

os Corpse acho que vão ao banco e normalmente entram na segunda parte, perto do fim ahahaha

GabrielP. disse...

:
http://www.youtube.com/watch?v=gNhN6lT-y5U

ahahahahah às vezes